Série AARS Depoimentos: Arquivos na pandemia – Gilberto Viana

Iniciamos na segunda semana de julho/2020 a Série AARS Depoimentos: Arquivos na pandemia. Hoje publicamos o trigésimo oitavo depoimento.

O associado Gilberto Fladimar Rodrigues Viana relata o impacto da pandemia da Covid-19 no seu trabalho arquivístico.

Os depoimentos são publicados às quintas-feiras no site da AARS.

Gilberto Fladimar Rodrigues Viana
Professor substituto FURG
Rio Grande, RS.
Associado n. 540 da AARS

1. Qual o seu local de trabalho como arquivista?
Curso de Arquivologia – Campos Carreiros – Rio Grande – RS.

2. Quais atividades desenvolvia antes da pandemia?
Desenvolvimento de estudos pertinente aos meus interesses de pesquisa.

3. A pandemia mudou a sua rotina de trabalho? Se sim, conte-nos o que mudou.
Sim, pois o planejamento das disciplinas que foram ministradas, correspondente ao primeiro semestre de 2020, tiveram seu início no mês de setembro. Antes do retorno as atividades, a instituição colocou em prática seu projeto denominado: Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA/FURG), com um treinamento em curto espaço de tempo. Nesse período (agosto/setembro-2020), foi definido o calendário emergencial em que as aulas seriam síncronas e/ou assíncronas.
Cabe relatar que o planejamento inicial, ou seja, antes da pandemia era o desenvolvimento das disciplinas do semestre através de aulas presenciais, ou seja, contava-se com a interatividade e acesso dos alunos aos ambientes de produção de documentos em suporte convencional e digital, que seria realizado através do estudo do sistema e subsistemas na instituição, como complemento do referencial teórico ministrado em aula.
Tendo como referência as definições do calendário emergencial, deu-se início a uma série de reuniões do Curso, a fim de tratarmos de vários assuntos entre eles: qual seria a melhor ferramenta à estruturação e transmissão das aulas.
Entre as discussões e tivemos a estruturação do seminário denominado DAM (Diálogos: Arquivologia em Múltiplas Perspectivas), que teve como objetivo motivar os alunos para o retorno das atividades acadêmicas e manter intercâmbio com colegas e pesquisadores da área. Este seminário se estabeleceu como um elo, uma alternativa de encontros que foram de extrema importância para alunos e professores da instituição, bem como das demais instituições. O DAM contou com palestrantes de várias instituições, que abordaram temas pertinentes à Arquivologia.
Nesse período, ou seja, no início de setembro contraí o vírus (covid 19). Percebendo alguns sintomas, procurei o serviço de saúde para realizar o exame, “detectado” para a doença e medicado, tudo isso na primeira semana de aula. As aulas passaram a ser uma rotina com tempo integral na preparação e gravação das mesmas.
Um dos pontos positivos durante o transcorrer do semestre, foi à adesão dos alunos, ou seja, teve-se poucas desistências e com um aproveitamento satisfatório considerando as dificuldades inerente ao momento da pandemia que exigiu e continua a exigir um acolhimento mútuo de alunos, professores, técnicos, familiares e instituição.

4. Depois que a pandemia passar, como será a volta ao trabalho? Que rotinas pretende retomar e quais manterá?
Entendo que o ambiente web, tanto às atividades síncronas, como assíncronas foram um grande aprendizado para todos que tiveram a missão e a responsabilidade de ministrar aula e ouvir o aluno (o outro), fazer-se entender e entendê-los. Ambos estão em posição de aprendizes, pois muitas coisas ainda terão que ser criadas e adaptadas.
Constatei que as práticas, advindas da interação dos alunos com o ambiente de produção documental é de suma importância para formação dos mesmos. Pretendo também continuar promovendo palestras de profissionais no decorrer de disciplinas, cujos conteúdos estejam associados aos conhecimentos e práticas de tais profissionais.
Porém o principal é sem sombra de dúvida o convívio direto com o aluno num tempo e espaço contínuo de formação e aprendizagem, que deve ser retomado tão logo tenhamos as condições sanitárias ideias.

Você pode gostar...